Loja Virtual

Saiba como criar uma plataforma de marketplace

plataforma-de-marketplace

O modelo de negócios no comércio eletrônico está em constante crescimento. No Brasil, esse setor apresentou um faturamento de R$ 9,75 bilhões no primeiro trimestre de 2016, indicando-o como um segmento com grande potencial para os próximos anos. Para alcançar essa dimensão, o modelo tradicional precisou se diversificar e oferecer novas oportunidades de negócios para diferentes perfis de empreendimento. Um deles é a plataforma de marketplace, que possui características diferenciadas explorando o compartilhamento de espaço. Confira, a seguir, algumas dicas de como criar uma plataforma de marketplace eficiente e bem-sucedida.

Loja Virtual na InCuca

Como funciona uma plataforma de marketplace?

O funcionamento de uma plataforma de marketplace consiste em oferecer um espaço online para que vendedores exibam e comercializem seus produtos ou serviços em troca de uma taxa, baseada no valor dos negócios fechados através da intermediação da plataforma, operando junto a portais colaborativos que conectam clientes e vendedores.

Gigantes do e-commerce como a Amazon e o eBay são popularmente conhecidas pela integração da plataforma de marketplace em sua loja virtual. Por se tratar de um modelo de vendas de cauda longa, a principal fonte de receita vem da porcentagem sobre o volume transacionado de cada vendedor, que tem potencial praticamente infinito e satisfaz diversos pequenos nichos de consumidores.

Para investir em uma plataforma de marketplace é preciso estrutura e foco diferenciados. Veja a seguir algumas dicas que devem ser levadas em conta:

Dicas para criar uma plataforma de marketplace

1. Saiba que sua plataforma de marketplace dependerá de uma estrutura tecnológica robusta

O investimento em uma plataforma de marketplace, por lidar com volume, necessita de uma estrutura tecnológica que ofereça a possibilidade de que seus vendedores configurem seus produtos ou serviços e possam ofertá-los de maneira conveniente e intuitiva. Por isso, é importante que se invista em uma API de arquitetura cujo sistema seja escalável, adequando sua plataforma caso ela tenha de lidar com um volume maior de uploads de produtos ou serviços no portal.

2. Não comece uma plataforma de marketplace sem ter uma excelente gestão financeira

Além da tecnologia, outro ponto fundamental para a criação bem-sucedida de um marketplace é a parte financeira. Diferentemente do e-commerce convencional, a plataforma de marketplace conta com um intermediador, responsável por lidar com as transferências e comissionamentos com os prestadores que estão vendendo produtos ou serviços para o cliente final. Por isso, é importante separar bem os fluxos de distribuição e as receitas referentes à prestação de serviço e ter uma solução que lide com essas rotinas financeiras particulares ao modelo.

Informe-se sobre as implicações jurídicas, legais e as auditorias a que a sua plataforma de marketplace está sujeita, considerando que ela opera como atividade de intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral, de acordo com o CNAE 74.90-1-04.

Outra implicação é em relação a emissão da nota fiscal. É importante que os vendedores emitam o documento para o cliente final e a sua loja, como plataforma de marketplace, emita para os vendedores a nota somente com o valor cobrado pela intermediação do negócio. As notas fiscais são documentos importantes em casos de contestações de compra e chargebacks.

3. Evite fraudes e mantenha sua plataforma de marketplace segura

A estrutura aberta oferecida por uma plataforma de marketplace pode atrair fraudadores se passando por vendedores legítimos, que criam compras com cartões clonados ou roubados e ficam com o dinheiro de comissão das vendas. Para evitar isso, é imprescindível investir em um processo de análise de risco e soluções que verifiquem a legitimidade dos vendedores antes de participarem do negócio através de documentos como CNPJ, contrato social da empresa, documentos dos responsáveis, comprovantes bancários e o que mais for necessário. Invista também em sistemas que chequem a veracidade da compra e forneçam serviços antifraude, para que a sua empresa não se prejudique e possa barrar as tentativas de golpe antes mesmo de elas se concretizarem.

De acordo com dados da Ebit, os marketplaces brasileiros já são responsáveis por movimentarem mais de 30% do comércio online tradicional. Aproveite essa oportunidade e comece 2017 planejando a criação de sua plataforma de marketplace.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Se precisar de um auxílio profissional, a InCuca está aqui para ajudá-lo!

Sobre o autor

Lucas Adiers Stefanello

CEO at InCuca. Construtor de ambientes de alta performance na internet. Apaixonado por tecnologia e comunicação é empreendedor e desenvolvedor WordPress desde suas primeiras versões em 2005, jornalista, analista de sistemas e de projetos digitais.

Deixe um comentário

Assine nossa newsletter

Não enviamos spans, apenas informações relavantes para melhorar seu ambiente virtual.

Assinatura realizada com sucesso!